Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

CINE CRÍTICA - 'Maria Madalena' parece novela e deve interessar apenas a católicos

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação.

Quinta, 15/3/2018 8:32.

THALES DE MENEZES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Fotografia linda, produção caprichada, atores muito bons. Mas, na essência, "Maria Madalena" fica distante da qualidade do filme anterior do diretor Garth Davis, o indicado ao Oscar "Lion". Apesar do investimento pesado, o longa parece uma novela da Record.

A versão apresentada da vida de Maria Madalena é a mais favorável possível à personagem bíblica. A condição de prostituta, imposta a ela por séculos, foi abandonada recentemente pela Igreja Católica, que hoje destaca a única mulher que andou entre os apóstolos de Jesus como uma de suas mais dedicadas seguidoras.

No filme, Maria Madalena assume protagonismo entre os apóstolos. Ela aceita a palavra do Messias intensamente e acaba tendo papel importante no contato com as pessoas que o grupo tenta arrebanhar. E sua relação com Jesus é reforçada por uma atenção especial dedicada a ela.

O roteiro não chega nem perto das considerações levantadas por estudiosos sobre um possível romance entre os dois. Embora mantenha Madalena pura, o filme usa e abusa de olhares enternecidos e levemente desejosos entre ela e Jesus.

Aí entra o ponto alto da produção. Rooney Mara e Joaquin Phoenix são atores intensos e estão ótimos como os personagens principais.

Vale destacar também o inglês Chiwetel Ejiofor, de "12 Anos de Escravidão" (2013), como o apóstolo Pedro, e o francês Tahar Rahim, revelado em "O Profeta" (2009), no papel de Judas Iscariotes.

A beleza gélida de Rooney Mara é, às vezes, um elemento que valoriza cenas um tanto arrastadas. O diretor é daqueles que apostam em longos enquadramentos fechados nos rostos para transmitir emoções. Como tantos outros, exagera nisso.

Se a atriz consegue ótimo desempenho como Maria Madalena, não é demasiado dizer que o filme nem existiria sem a força de Joaquin Phoenix. Porque o roteiro patina muito, repete à exaustão as pregações de Jesus entre as comunidades, em busca da conversão de novos seguidores.

Com outro ator interpretando o Messias, a oratória poderia cair numa repetição que derrubaria de vez o filme. Mas Phoenix exibe um arsenal de sutilezas, no olhar e no ritmo da pregação, que mesmeriza os ouvintes e também os espectadores no cinema.

Se "Maria Madalena" tivesse em todos os quesitos a força do par central, o resultado seria muito bom. Porém, uma direção comportada demais e uma narrativa linear sem surpresas, sem encantamento e sem um clímax põem por terra qualquer ambição de um cinema mais ousado.

No resultado final, o filme deve interessar apenas a pessoas católicas, com receptividade à palavra de Jesus. Bem antes da metade da sessão, "Maria Madalena" desiste de ser filme para ser apenas pregação.

MARIA MADALENA (MARY MAGDALENE)
Quando: estreia nesta quinta (15)
Classificação: 12 anos
Elenco: Rooney Mara, Joaquin Phoenix e Chiwetel Ejiofor
Produção: Reino Unido, 2018. 120 min
Direção: Garth Davis
Avaliação: regular. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Política

Vereadora Juliethe em alguns casos prevê prazo de cinco dias


Economia


Cidade

Maioria que lidera contribuição não é nativa da cidade 


Cidade

Equilíbrio que existia no governo Spernau foi liquidado no governo Piriquito   


Publicidade


Geral

Prefeitura adotou novas regras em alguns setores


Cultura

Dois documentários com entrada franca


Equilíbrio

Volvo defende a redução de plásticos no oceano


Variedades

The Headcutters e bandas locais completam a programação


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade