Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Ligas de França, Portugal e Holanda adotarão árbitro de vídeo

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação Fifa.

Sexta, 21/4/2017 6:51.

(UOL/FOLHAPRESS) - Pelo menos três ligas europeias devem adotar auxílio de vídeo aos árbitros a curto e médio prazo: França, Portugal e Holanda. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (20) pelo jornal espanhol 'Mundo Deportivo'.

Os três países devem ser os primeiros entre as grandes ligas da Europa a utilizar o recurso. Fora do continente, apenas a Austrália tem apostado no vídeo - desde abril, a liga é a primeira profissional a contar com o chamado VAR (Video Assistant Referee).

Segundo Mike van der Roest, diretor do projeto para implementar a novidade no Campeonato Holandês, a novidade deverá estrear na temporada 2018/2019. A tendência é que o auxílio seja testado na temporada 2017/2018.

Na França, o vídeo deve chegar ainda antes: já na temporada 2016/2017, nos playoffs de acesso e descenso que serão disputados nos dias 25 e 28 maio. Nas partidas em questão, o 18º colocado da primeira divisão disputará uma vaga na elite local contra o terceiro colocado da segunda divisão.

Vale lembrar que o vídeo já foi utilizado na França em outubro de 2016 em caráter de teste, mediante aprovação da FFF (Federação Francesa de Futebol) e da LFP (Liga de Futebol Profissional). Nos playoffs, o artifício só poderão ser utilizados em quatro possibilidades: gol, infração que anule gol, falta ou saída de bola.

Em Portugal, por sua vez, a vídeo-arbitragem será utilizada na final da Copa de Portugal, a ser disputada no próximo dia 28 de maio. Na ocasião, Vitória de Guimarães e Benfica se enfrentarão no Estádio Nacional do Jamor. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Esportes

Disputa pode ser assistida nos molhes e arredores da cidade  


Empregos

Litoral retomou crescimento do setor em janeiro e fevereiro


Política

Vereadora Juliethe em alguns casos prevê prazo de cinco dias


Cidade

Maioria que lidera contribuição não é nativa da cidade 


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade