Jornal Página 3

Presidente do COB se recusa a assumir comitê Rio-2016, em crise financeira

Quarta, 6/12/2017 7:25.

ITALO NOGUEIRA E PAULO ROBERTO CONDE
RIO DE JANEIRO, RJ, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente do COB (Comitê Olímpico do Brasil), Paulo Wanderley, enviou nesta terça-feira (5) uma carta ao comitê organizador Rio-2016 em que se recusa assumir o comando da entidade.

A comunicação oficial ocorre no momento em que o rombo financeiro do órgão se amplia. De acordo com a última auditoria, a sua dívida com fornecedores e funcionários chegou a R$ 218 milhões e pode aumentar.

O maior débito é com a GL Events, de R$ 52 milhões.

"Declaro minha intenção de dedicar-me integral e exclusivamente ao cargo de presidente do COB, o que me impede de assumir compromisso junto a outras entidades. Desta forma, venho informar a minha recusa em assumir a posição de presidente desta entidade", diz a carta assinada por Wanderley, à qual a reportagem teve acesso.

A rejeição do dirigente vai prolongar a penúria em relação ao comando do Rio-2016. Pelo estatuto do comitê organizador, seu presidente deve ser o chefe ou o vice-presidente do comitê nacional.

Antes vice do COB, Wanderley ascendeu ao posto de mandatário em razão da renúncia de Carlos Arthur Nuzman, no mês de outubro. O segundo maior cargo da entidade está vago.

Nuzman foi preso e posteriormente liberado pela Polícia Federal, suspeito de atuar como "ponte" em esquema de compra de votos para eleger o Rio sede dos Jogos.

Por ora, o Rio-2016 tem sido conduzido interinamente por Edson Menezes, vice-presidente do conselho diretor.

Além de Menezes, também fazem parte do conselho diretor da Rio-2016 Luiza Trajano (empresária), Bernard Rajzman (ex-jogador), Manoel Felix Cintra Neto (ex-presidente da BM&F) e José Antônio do Nascimento Brito (ex-presidente do conselho editorial do "Jornal do Brasil").

A interinidade, contudo, não pode mais ser exercida.

Entra aí a figura de Wanderley que deveria assumir o posto de acordo com as regras estatutárias. Ainda não há uma definição sobre o que será feito em razão da recusa.

As regras do COB também previam o acúmulo de funções -estratégia do ex-presidente Carlos Arthur Nuzman para comandar, de forma inédita, as duas entidades-, mas Wanderley conseguiu tirar a obrigatoriedade na reforma do estatuto aprovado há duas semanas.

À reportagem, há dez dias, o presidente do COB já havia indicado a intenção de renunciar ao cargo no Rio-2016. "Há de se convir que eu não fui eleito para isso", comentou ele na ocasião.

Wanderley afirmou que havia encomendado uma avaliação jurídica sobre o que seria possível fazer para não assumir o órgão endividado.

A recusa ocorre quando novos canais de diálogos haviam sido abertos com o COI (Comitê Olímpico Internacional) na tentativa de obter novo apoio financeiro para abater a dívida da entidade.

Sem dinheiro para quitar os débitos, o comitê organizador viu seus principais parceiros fecharem a torneira. A União disse que não vai repassar mais verbas. O mesmo foi dito pela Prefeitura do Rio e pelo governo do Estado.

De acordo com o contrato da cidade-sede proposto pelo COI, prefeitura e Estado arcariam com eventuais déficits dos Jogos Olímpicos de 2016.

O Comitê Rio-2016 operou com uma receita de R$ 8,8 bilhões para realizar a Olimpíada, obtida entre repasses do COI, venda de ingressos e produtos licenciados. De acordo com seu estatuto, ele tem de ser encerrado até 2023.

ASSEMBLEIA

O COB faz nesta quarta (6) nova assembleia geral que deve garantir aos atletas 12 assentos no órgão que define o presidente do comitê.

A reunião foi marcada depois de polêmica na última sessão, em 22 de novembro. Na ocasião, a proposta de inclusão de 12 atletas foi derrubada após o voto dado pelo presidente da confederação de rúgbi, Eduardo Mufarej, que teve de deixar a reunião antes do fim, ser anulado. O pleito estava empatado em 15 a 15. Ele havia adiantado sua escolha pelos 12 atletas.

O presidente da confederação de tênis de mesa, Alaor Azevedo, pediu a impugnação do sufrágio e, depois de debate acalorado, foi atendido.

O placar terminou 15 a 14 para os favoráveis a cinco atletas na assembleia.

O veto causou revolta de atletas e entidades que os representam, como Atletas pelo Brasil e Sou do Esporte.

A confederação de rúgbi ameaçou acionar o COB judicialmente e apresentou recurso para validação do voto, o que fez com que o presidente da entidade, Paulo Wanderley, remarcasse a reunião.

Neste ínterim, as confederações de vôlei e levantamento de peso anunciaram publicamente que mudariam seus votos na nova assembleia. 


Publicidade


Colunistas
por Enéas Athanázio
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Augusto Cesar Diegoli
por Céres Fabiana Felski
Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Cidade

Local está isolado para manutenção


Geral

Evento é alusivo aos 70 anos da WFO 


Policia


Política


Esportes

Ele desfilou no carro dos bombeiros no final de semana


Cultura

Há novidades, como menos burocracia e ampliação de áreas contempladas 


Comercial

Promoções Rosar Alimentos para esta semana


Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Cidade

Prefeitura de Balneário Camboriú fará leilão no dia 13 de dezembro


Publicidade