Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Ricciardo sobra e vence na China; Vettel se choca com Verstappen e é só 8º

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

F1.com

Domingo, 15/4/2018 18:34.

(UOL/FOLHAPRESS) - Uma exibição de gala, combinada com uma estratégia certeira. Assim, Daniel Ricciardo quebrou o início de hegemonia da Ferrari em 2018 e conquistou a vitória no Grande Prêmio da China de Fórmula 1. Em uma corrida movimentada e com manobras polêmicas, especialmente de Max Verstappen, o piloto australiano da Red Bull sobrou com pneus novos na parte final da prova, ultrapassou Valtteri Bottas e triunfou na terceira etapa da temporada. Kimi Raikkonen, da Ferrari, fechou o pódio.

Quando a corrida ultrapassava a 30ª volta de um total de 56, os dois carros da Toro Rosso (Pierre Gasly e Brendon artley) se chocaram, o que gerou imediatamente a entrada do Safety Car. A Red Bull promoveu nova troca de pneus com Ricciardo e Verstappen, que melhoraram o ritmo, incomodaram Ferrari e Mercedes e terminaram com os melhores desempenhos na parte final da prova.

Vítima de um toque de Verstappen na 44ª volta da corrida em Xangai, Vettel, ainda líder do campeonato com 54 pontos, finalizou o GP da China somente em oitavo; Lewis Hamilton, vice-líder com 45, acabou em quarto, beneficiado pela punição de 10s ao holandês da Red Bull.

Se Verstappen atrapalhou-se com Hamilton e bateu em Vettel, que perseguia uma possibilidade de brigar com Bottas no fim e conquistar o terceiro triunfo no ano, Ricciardo brilhou em Xangai com ultrapassagens arrojadas sobre Hamilton, Vettel e Bottas. A ousadia e habilidade, potencializada pela estratégia certeira da Red Bull, levaram o australiano para a liderança e permitiram à Red Bull alcançar o primeiro triunfo na China desde 2009.

Agora embalado pela sexta vitória na carreira dentro da categoria máxima do automobilismo, o australiano da Red Bull tenta se estabelecer de vez na briga por mais vitórias, cenário hoje previsto para Ferrari e Mercedes. A próxima etapa da Fórmula 1 está agendada para 29 de abril, nas ruas de Baku, no Azerbaijão - justamente palco da última conquista de Ricciardo na F1 antes da corrida deste domingo.

A corrida parecia destinada a terminar com uma vitória tranquila de Vettel. O alemão largou bem, enquanto os principais concorrentes penaram logo nas primeiras curvas. Raikkonen, que saiu em segundo, tentou perseguir o companheiro de equipe após o apagar das luzes, mas testemunhou Bottas e Verstappen ultrapassá-lo nos primeiros segundos de GP da China.

Além de Raikkonen, Lewis Hamilton também não começou bem Xangai. O britânico, insatisfeito desde o resultado do treino de sábado e a quarta posição no grid, acabou superado por Verstappen e precisou desde cedo batalhar contra uma Ferrari (no caso, Raikkonen). Esta situação logo de início permitiu a Vettel disparar na ponta e encaminhar uma até então corrida tranquila.

O cenário favorável à Ferrari virou devido à estratégia da Mercedes. A escuderia alemã fez os dois carros pararem antes da 20ª volta, enquanto a escuderia italiana chamou Vettel uma volta depois. Neste momento, o tetracampeão mundial encontrou a primeira grande dificuldade na corrida deste domingo.

Bottas ganhou a posição de Vettel no pitstop e assumiu a liderança da corrida na 27ª volta ao ultrapassar Raikkonen, que ainda não havia parado nos boxes e apresentava desgastes nos pneus. A corrida, que se encaminhava para uma disputa entre o finlandês e o alemão, contudo, sofreu nova reviravolta graças a dois carros da Toro Rosso.

Na 30ª volta, Gasly e Hartley se chocaram em uma curva e geraram a entrada do Safety Car. Imediatamente, todo o conforto de Bottas e Vettel terminou, e Hamilton retornou diretamente para a briga pelas primeiras posições, assim como Verstappen e Raikonen, quarto e quinto no momento. Gasly, posteriormente, recebeu uma punição de 10s pelo acidente provocado.

Foi Bottas quem melhor aproveitou a saída do carro de segurança. Restando 20 voltas para o fim da corrida, o finlandês da Mercedes abriu mais de 1s de Vettel, que passou a se preocupar mais com a perseguição direta de Hamilton. Já no pelotão do meio, novamente Fernando Alonso sobrou, ultrapassando, Grosjean e Sainz, e entrando na zona de pontuação - o espanhol finalizou o GP na sétima posição

Por outro lado, Kimi Raikkonen sofreu depois da quebra de ritmo forçado. Daniel Ricciardo, que viveu problemas no sábado com o motor estourado no terceiro treino livre, fez manobra ousada na 38ª volta e assumiu a quinta colocação na disputa direta com o finlandês. A Red Bull, que usou o safety car para promover nova troca de pneus nos dois carros, quebrava de vez o duopólio de Mercedes e Ferrari na pista em Xangai.

A estratégia da equipe austríaca, entretanto, era de brigar por objetivos maiores na pista, e, pela segunda vez no dia, os dois pilotos entraram ao mesmo tempo nos boxes para nova troca de pneus enquanto o carro de segurança ainda estava na pista.

Max Verstappen, com pneus novos e aquecidos, apertou o ritmo e pressionou Lewis Hamilton em poucas voltas; o holandês quase comprometeu a própria corrida nesta disputa. O holandês tentou por fora ultrapassar o britânico, que fechou a porta. Verstappen precisou sair da pista para não bater no adversário.

Quem se aproveitou do erro do jovem holandês foi Ricciardo, o destaque do dia na China. O australiano, liberado pela equipe para pressionar Hamilton, rapidamente conseguiu a ultrapassagem e se apresentava com o melhor ritmo da pista.

A Red Bull, assim, se colocava como intrusa no pódio nesta terceira etapa do Mundial de Fórmula 1; porém, a prova destinava novos momentos de protagonismo para a escuderia austríaca, campeã pela última vez da categoria em 2013.

De um lado, Verstappen virou vilão, enquanto Ricciardo se consagrou como o grande nome do fim de semana. O holandês arriscou demais novamente e acabou punido com 10s pela direção de prova após provocar acidente com Vettel, que perdeu completamente qualquer chance de vitória (ou de pódio, no mínimo) ao rodar na pista com o toque do adversário.

Ricciardo, em contrapartida, sobrou. Beneficiado pela estratégia da equipe austríaca, o australiano rapidamente tirou a distância para Bottas e pulou para a liderança da prova na 45ª volta. De lá, não saiu mais. Foi a primeira vitória do australiano em 15 corridas.

O choque com Verstappen atrapalhou o final de corrida de Sebastian Vettel. Fora o fato de perder qualquer chance de brigar pela vitória, o alemão viu o próprio ritmo cair na pista em Xangai. O ferrarista precisou se preocupar em sustentar um lugar na zona de pontuação para se manter com relativa folga na liderança do Mundial de Pilotos.

Na penúltima volta, por exemplo, Vettel não resistiu à investida de Fernando Alonso, da McLaren, e perdeu a sétima colocação. O alemão ainda precisou segurar Carlos Sainz Jr., da Renault, nas últimas curvas para somar os quatro pontos destinados ao oitavo colocado da corrida. 

A classificação do GP da China
1 - Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull) - a 1h35m36s380
2 - Valtteri Bottas (FIN/Mercedes) - a 8s894
3 - Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari) - a 9s637
4 - Lewis Hamilton (GBR/Mercedes) - a 16s985
5 - Max Verstappen (HOL/Red Bull) - a 20s436
6 - Nico Hulkenberg (ALE/Renault) - a 21s052
7 - Fernando Alonso (ESP/McLaren) - a 30s639
8 - Sebastian Vettel (ALE/Ferrari) - a 35s286
9 - Carlos Sainz Jr. (ESP/Renault) - a 35s763
10 - Kevin Magnussen (DIN/Haas) - a 39s594
11 - Esteban Ocon (FRA/Force India) - a 44s050
12 - Sergio Perez (MEX/Force India) - a 44s725
13 - Stoffel Vandoorne (BEL/McLaren) - a 49s373
14 - Lance Stroll (CAN/Williams) - a 55s490
15 - Sergey Sirotkin (RUS/Williams) - a 58s241
16 - Marcus Ericsson (SUE/Alfa Romeo-Sauber) - a 1m02s604
17 - Romain Grosjean (FRA/Haas) - a 1m05s296
18 - Pierre Gasly (FRA/Toro Rosso) - a 1m06s330
19 - Charles LeClerc (MON/Alfa Romeo-Sauber) - a 1m22s575
Não completou
20 - Brendon Hartley (AUS/Toro Rosso) - a uma volta

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Esportes

Os campeões colocaram a CPH Brasil e Balneário no topo do pódio    


Cidade

Conselho da Cidade e Câmara de Vereadores não votam mais em casos desse tipo 


Seu Dinheiro

Metade não entregou. Esta é a última semana 


Saúde

Dia D será 12 de maio, um sábado, com mais postos de vacinação abertos 


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade