Jornal Página 3

Achutti diz que empreendedor do BC Port construiu sobre terreno público
Arquivo JP3.
A obra do tabelionato, no início da Quarta Avenida.
A obra do tabelionato, no início da Quarta Avenida.

O vereador Marcelo Achutti denunciou hoje (18) que o idealizador do BC Port, André Guimarães Rodrigues, e familiares estão construindo o prédio de um cartório na Quarta Avenida esquina com Avenida do Estado e parte dele se situa sobre um terreno que pertence ao município.

Ali funcionará futuramente o 1º Tabelionato de Notas e Protestos de Títulos de Balneário Camboriú.

André Guimarães Rodrigues tem hostilizado o vereador em redes sociais o que o levou a buscar mais informações sobre o empreendedor.

Não haveria ligação entre um cartório e o projeto de um porto para navios de cruzeiro se o cartório não pagasse despesas que são do BC Port.

Os documentos abaixo mostram que foi da conta bancária do cartório que saíram R$ 1.819,60 para pagar custa judiciais de um processo movido pela BC Port contra a prefeitura de Balneário Camboriú.

 

 

 

No local da obra funcionavam revendas de veículos. O proprietário anterior desse imóvel tentou, em 2015, adquirir a área pública, mas sem sucesso.

Em 17 de agosto de 2015, após consulta dos proprietários vizinhos, os arquitetos da prefeitura Sergio Luiz Baggio, Helvys Zermiani e o engenheiro Claudinei Triches emitiram parecer que aquela área não poderia ser vendida porque interessava ao município para reformulação do sistema viário, inclusive há um viaduto planejado para a região.

A prefeitura não vendeu a área, mas a obra do cartório avançou sobre ela segundo o vereador Achutti.

Por isto, ele oficiou na tarde de hoje à Secretaria do Planejamento, ao Departamento de Patrimônio do Município e ao Ministério Público, denunciando a invasão.

Oficiou também à Secretaria da Fazenda para que não seja concedido Habite-se ao cartório enquanto a situação não for regularizada.

O Página 3 não conseguiu falar com representantes da BC Port no fone indicado pela empresa em documentos públicos. O espaço fica aberto para manifestações.

O Página 3 tentou contato com a tabeliã que não se encontrava no tabelionato e a telefonista não soube indicar o nome ou telefone da arquiteta responsável pela obra. O espaço para esclarecimentos está em aberto.


Quinta, 18/5/2017 14:50.
Publicidade


Cidade

É resultado de desrespeito e incapacidade administrativa. Escola é a única que oferece ensino integral para educação fundamental.


Empregos

Com terceirização os 157 contratados poderão ser mantidos no emprego. Veja as vagas disponíveis.


Geral

Devido serviço de manutenção na ETA


Cidade

Navio já chegou com passageiros de 14 nacionalidades e 1.283 tripulantes 


Mundo/Internacional


Publicidade

Projetos têm nomes de árvores nativas e podem ser adequados ao gosto dos clientes


Publicidade