Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

GM encerra operações na Venezuela após confisco de fábrica da montadora

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

EBC.
Nicolás Maduro, líder da ditadura venezuelana.
Nicolás Maduro, líder da ditadura venezuelana.

Quinta, 20/4/2017 11:01.

(FOLHAPRESS) - A General Motors anunciou na quarta-feira (19) o encerramento de suas operações na Venezuela depois que autoridades do país tomaram uma unidade da montadora no centro industrial de Valencia.

"Ontem [terça-feira] a fábrica da GMV foi inesperadamente tomada pelas autoridades públicas, impedindo as operações normais. Além disso, outros ativos da companhia, como veículos, foram retirados ilegalmente de suas instalações", disse a GMV (General Motors Venezolana), unidade da GM, em um comunicado enviado por e-mail.

"A GMV repudia as medidas arbitrárias tomadas pelas autoridades e irá tomar todas todas as medidas legais, dentro e fora da Venezuela, para defender seus direitos", completou.

Segundo a GM, as ações do governo venezuelano prejudicam seus 2.678 operários, além dos mais de 3.900 trabalhadores de suas 79 concessionárias. A empresa prometeu pagar os direitos trabalhistas dos funcionários demitidos.

A decisão foi tomada em meio a uma crise econômica cada vez mais grave na Venezuela, que já afetou diversas empresas norte-americanas presentes no país.

A indústria automobilística venezuelana sofre com a falta de matéria-prima devido a complexos controles monetários e uma produção local estancada, e muitas fábricas apenas podem manufaturar.

O anúncio do fim das operações da GM na Venezuela ocorre em meio a uma onda de manifestações contra o governo do presidente Nicolás Maduro.

Na quarta (19), os protestos terminaram com a morte de um guarda e dois civis. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Esportes

Disputa pode ser assistida nos molhes e arredores da cidade  


Empregos

Litoral retomou crescimento do setor em janeiro e fevereiro


Política

Vereadora Juliethe em alguns casos prevê prazo de cinco dias


Cidade

Maioria que lidera contribuição não é nativa da cidade 


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade