Jornal Página 3

Operação investiga pagamento de R$ 160 milhões em propina pela JBS

Segunda, 11/12/2017 17:46.

NATÁLIA PORTINARI

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério Público Federal, a Receita Federal e a Polícia Federal deflagraram nesta segunda (11) a Operação Baixo Augusta, que investiga um suposto esquema de pagamento de propina pela JBS para agilizar a liberação de recursos que a empresa teria a receber do Fisco.

Estão sendo cumpridos 14 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Caraguatatuba, Campos do Jordão, Cotia e Lins.

A investigação foi iniciada a partir do acordo de colaboração premiada firmado entre o MPF e executivos da companhia. Segundo os investigadores, foi identificada a participação de um auditor fiscal da Receita, um empresário, um contador e um advogado falecido em 2016.

Em delação, a JBS afirma que pagou cerca de R$ 160 milhões em propina para agilizar a liberação de ao menos R$ 2 bilhões em crédito tributário, pedidos de ressarcimento de PIS/Cofins, de 2004 a 2015.

A Polícia Federal afirma que a investigada é uma das empresas do grupo JBS, mas não especificou qual delas. A J&F, holding que detém a JBS, diz que não é alvo da operação desta segunda.

Procurada pela reportagem, a JBS afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que "os valores recebidos referem-se a créditos tributários legitimamente devidos à empresa" e que a companhia não é alvo da operação.

O valor de R$ 2 bilhões foi mencionado pelos executivos em delação premiada, mas os créditos tributários liberados com a ajuda do esquema podem ser mais que o dobro disso, segundo a PF. Os valores ainda estão sendo apurados.

Além do cumprimento dos mandados, a Justiça Federal determinou o afastamento do auditor fiscal e o bloqueio de bens de pessoas beneficiadas pelo esquema e de empresas ligadas a elas.

O auditor investigado por receber propina trabalhava na rua Augusta, no centro de São Paulo, região que dá nome à operação.

Nesta segunda, a Polícia Federal foi até este posto, e também ao escritório e à casa do auditor, em Santana, na Zona Norte da cidade. Ele será processado por improbidade administrativa e foi afastado do cargo.

O Ministério Público Federal chegou a pedir a prisão preventiva do suspeito, mas a Justiça negou.

Foram bloqueados seus bens, incluindo uma casa em Campos do Jordão, outra em Caraguatatuba e um Camaro branco. Foi pedido também o bloqueio de bens de familiares do auditor investigado, que foram usados como laranja, segundo a PF.

"O patrimônio [do auditor] era completamente incompatível com a renda inerente ao cargo", disse Guilherme Bibiani, da delegacia especial de administração tributária da Receita Federal. Ele havia vendido uma Ferrari há pouco tempo, segundo a procuradoria.

DELAÇÃO

Segundo a delação da JBS, as transações ocorriam por meio de empresas de fachada e da emissão de notas fiscais falsas.

O esquema para liberação de créditos foi descrito em depoimento de Valdir Aparecido Boni, executivo da JBS, em maio de 2017.

Boni afirma que o advogado Davi Mariano da Silva e outro intermediário, Antonio Miranda, recebiam os 8% sobre os créditos liberados e repassava uma parte para colaboradores da Receita Federal, que ele diz não saber quem são.

"Dos R$ 160 milhões, são R$ 20 milhões em notas fiscais, R$ 40 milhões em dinheiro e aproximadamente R$ 100 milhões via terceiros, provavelmente um doleiro, que fiquei sabendo que era feito por um doleiro", disse Boni.

Em 2015, Antonio Miranda se afastou do negócio, segundo Aparecido. Em 2016 e 2017, Davi Mariano teria recebido R$ 20 milhões da empresa em troca do "serviço".

OUTRO LADO

Procurada pela reportagem, a JBS afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que "os valores recebidos referem-se a créditos tributários legitimamente devidos à empresa".

A J&F se manifestou por nota. "A J&F informa que não é alvo da Operação Baixo Augusta. A empresa não fará comentários sobre a ação que está sendo realizada hoje e que decorre do acordo de colaboração firmado com a Justiça. A J&F reitera ainda que, conforme nota divulgada pelo MPF, os créditos à JBS são recursos legítimos que a companhia teria a receber do Fisco."


Publicidade


Cidade

Programa não está claro e há hesitações políticas  


Política

“Reunião extraordinária não é para discutir cemitério e roda gigante”, disse vereador


Cidade

Desde 2012 governadores de plantão estão prometendo a obra


Policia

Combater pertubação do sossego é a segunda principal ocorrência para a PM    


Equilíbrio

Secretária vai palestrar no dia 23


Geral

Ele foi levado pela correnteza na semana passada


Policia

Bandidos invadiram loja de roupas na Terceira Avenida 


Variedades

Na telona grandes artistas da música brasileira


Opinião

Artigo de opinião


Cultura

Dica de passeio cultural de verão


Cidade

O serviço não tem ônus adicional, é programado e deve ser agendado por telefone