Jornal Página 3

Estaleiro de Cingapura investigado na Lava Jato paga R$ 692 mi em multas

Sábado, 23/12/2017 7:55.

MARIO CESAR CARVALHO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O estaleiro Keppels Fels fechou um acordo de leniência nesta sexta-feira (22) com autoridades do Brasil, dos Estados Unidos e de Cingapura, onde fica a sua sede, no qual reconhece que pagou propina para fornecer navios e plataformas de petróleo para a Petrobras e a Sete Brasil. A empresa vai pagar um multa de R$ 1,4 bilhão.

Leniência é uma espécie de delação para empresas.

O Brasil ficará com cerca da metade do valor da multa (R$ 692 milhões), segundo a força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba.

A multa global é a terceira maior da Lava Jato (depois de Odebrecht e da Braskem) e a quinta no ranking de dinheiro que será pago ao Brasil.
O acordo estipula que a empresa de Cingapura devolverá o dobro do que pagou em suborno no país.

O Keppels é um dos maiores fornecedores da Petrobras e tem contratos no valor de US$ 25 bilhões, o equivalente atualmente a R$ 83 bilhões.

A ordem para o pagamento de propina partia da cúpula da empresa em Cingapura. O acordo envolveu os EUA porque um executivo americano participou do esquema paga pagar suborno.

O estaleiro era representado no Brasil pelo lobista Swi Skornicki, que foi apanhado pela Lava Jato, fez acordo de delação e reconheceu ter pago US$ 4,5 milhões ao marqueteiro do PT João Santana, por indicação do ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto, que está preso em Curitiba.

A mulher de Santana, a publicitária Mônica Moura, informou em sua delação que o dinheiro foi recebido na Suíça e era uma dívida de campanha presidencial de Dilma Roussef de 2010.

O lobista contou em seu acordo que fez pagamentos de propina para executivos da Petrobras e para o PT desde 2003. Ele pagou uma das maiores multas entre os delatores da Lava Jato, de R$ 83,1 milhões.

No ano passado, a empresa reconheceu que poderia ter ter cometido ilicitudes em negócios com a Petrobras.

Com esse acordo, o valor arrecadado pela Lava Jato em três anos e nove meses sobe para R$ 11,5 bilhões, um recorde na história brasileira.

"Infelizmente, esse valor ainda é pequeno quando comparado ao total desviado da população brasileira pela atuação de políticos, agentes públicos e empresários corruptos. Muito mais ainda precisa ser feito para coibir essa prática nefasta", disse a procuradora Laura Gonçalves Tessler, da força-tarefa.

O advogado da Keppels, Celso Vilardi, não quis se pronunciar. 


Publicidade


Cidade

Programa não está claro e há hesitações políticas  


Política

“Reunião extraordinária não é para discutir cemitério e roda gigante”, disse vereador


Cidade

Desde 2012 governadores de plantão estão prometendo a obra


Policia

Combater pertubação do sossego é a segunda principal ocorrência para a PM    


Equilíbrio

Secretária vai palestrar no dia 23


Geral

Ele foi levado pela correnteza na semana passada


Policia

Bandidos invadiram loja de roupas na Terceira Avenida 


Variedades

Na telona grandes artistas da música brasileira


Opinião

Artigo de opinião


Cultura

Dica de passeio cultural de verão


Cidade

O serviço não tem ônus adicional, é programado e deve ser agendado por telefone