Jornal Página 3

Paraguai extradita chefe do tráfico de drogas na fronteira com o Brasil

Quinta, 28/12/2017 14:51.

MAURI KÖNIG
CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - O narcotraficante brasileiro Jarvis Chimenes Pavão, 49, foi extraditado nesta quinta-feira (28) do Paraguai para o Brasil, onde cumprirá pena de 17 anos e 9 meses por tráfico de drogas.

Apontado pela polícia paraguaia como o "rei da fronteira", ele acabou de cumprir pena de oito anos de prisão em Assunção por lavagem de dinheiro, associação criminosa e violação das leis de armas do país.

Pavão deve ficar em um presídio federal de Santa Catarina, Estado onde foi condenado por tráfico antes de fugir para o Paraguai.

A operação de extradição envolveu dezenas de veículos blindados do Exército e centenas de policiais porque o governo paraguaio temia que houvesse uma tentativa de resgate.

Ele foi entregue oficialmente por membros paraguaios da Interpol para quatro agentes da Polícia Federal. Foi levado de helicóptero até o Grupo Aerotático da Força Aérea, no aeroporto de Assunção, enquanto três caravanas seguiam por terra em diferentes percursos para despistar. Pavão decolou em um avião da PF às 9h30 (horário de Brasília).

Pavão foi preso em 27 de dezembro de 2009 pela Senad (Secretaria Nacional Antidrogas), do Ministério da Justiça, em uma fazenda na localidade de Yby Yaú, em Concepción, fronteira com o Mato Grosso do Sul. Com ele foi preso Carlos Antonio Caballero, o Capilo, líder de uma das células do PCC (Primeiro Comando da Capital) na região.

Em 2 de maio de 2014, Pavão foi condenado a uma pena de oito anos de prisão no Paraguai, pelos crimes de lavagem de dinheiro, violação à lei de armas e associação para o crime. Ele cumpria a pena em uma cela de luxo na Penitenciária de Tacumbú, em Assunção.

O traficante brasileiro era um dos donos de 22 aeronaves apreendidas em um hangar no aeroporto de Amambay, estado paraguaio que faz fronteira com o Brasil. Os aviões de pequeno porte eram usados para transportar carregamentos de cocaína da Bolívia e da Colômbia.

Depois de mais de sete anos na penitenciária de Tacumbú, em Assunção, foi transferido em 26 de julho de 2016 para o Agrupamento Especializado da Polícia Nacional, de onde só saiu para ser levado ao Brasil.

Também há um pedido de extradição de Pavão para os Estados Unidos, para onde ele despachou grandes quantidades de cocaína em associação com outros traficantes.

CRIMES

Pavão é de Ponta Porã e se mudou para Balneário Camboriú (SC) nos anos 1990, onde passou a atuar no comércio de veículos e no tráfico. Chegou a ser preso em 1994 com 25 quilos de cocaína, mas não ficou na prisão. A condenação de quase 18 anos por tráfico se deu à revelia.

O Ministério da Justiça considera Pavão o maior narcotraficante em atividade na fronteira com o Brasil. Mesmo de dentro da prisão ele continuou operando os negócios, inclusive a execução de inimigos. Para a Senad, foi ele quem ordenou o assassinato do rival Jorge Rafaat Toumani, 56 anos, com armas de guerra.

Rafaat foi morto em meio à disputa pelo controle das drogas na fronteira. Ele caiu numa emboscada na noite do dia 15 de junho de 2016 no centro de Pedro Juan Caballero, a poucas quadras de Ponta Porã (MS).

Enquanto os 30 seguranças de Rafaat trocavam tiros com mais de 70 pistoleiros, a blindagem do jipe Hummer que ele dirigia foi transpassada pelos projéteis da metralhadora .50 instalada em um Toyota Fortuner roubado na Argentina. Rafaat foi atingido 16 vezes.

O senador Robert Acevedo sustentou por diversas vezes logo após o crime que Rafaat teria sido assassinado por estar arquitetando a extradição de Pavão, que contou com ajuda do PCC para eliminar o rival.

IMPASSE

Houve momentos de dúvidas quanto à extradição. O juiz Santaní Crescencio Ocampos Cano chegou a conceder um habeas corpus genérico que suspendia a entrega do traficante ao Brasil. O magistrado desapareceu logo depois da manobra frustrada de impedir a extradição.

Ao jornal ABC Color o ministro da Justiça, Éver Martínez, acusou o juiz de ter cobrado uma "aposentadoria antecipada", numa referência ao suborno que teria recebido. A Corte Suprema de Justiça, que havia suspendido o habeas corpus, agora vai decidir o destino do magistrado. 


Publicidade


Cidade

Programa não está claro e há hesitações políticas  


Política

“Reunião extraordinária não é para discutir cemitério e roda gigante”, disse vereador


Cidade

Desde 2012 governadores de plantão estão prometendo a obra


Policia

Combater pertubação do sossego é a segunda principal ocorrência para a PM    


Equilíbrio

Secretária vai palestrar no dia 23


Geral

Ele foi levado pela correnteza na semana passada


Policia

Bandidos invadiram loja de roupas na Terceira Avenida 


Variedades

Na telona grandes artistas da música brasileira


Opinião

Artigo de opinião


Cultura

Dica de passeio cultural de verão


Cidade

O serviço não tem ônus adicional, é programado e deve ser agendado por telefone