Jornal Página 3

PF cumpre mandado em BC contra quadrilha do golpe do Seguro Desemprego

Sexta, 19/5/2017 9:33.

Mais uma ação da Polícia Federal aconteceu em Balneário Camboriú. Na manhã de ontem (18) foi deflagrada a Operação Stellio, em parceria com o Ministério do Trabalho, a fim de desarticular uma organização criminosa especializada em fraudes contra o programa de Seguro Desemprego e o FGTS, que atuava em diversos estados. Houve uma busca e apreensão em um apartamento em Balneário.

Segundo informações da Polícia Federal, os criminosos inseriam requerimentos fraudulentos em unidades do Sistema Nacional de Empregos (SINE) por agentes credenciados, e em escritórios montados pela organização, mediante a utilização das senhas desses agentes que eram comparsas dos criminosos.

A investigação apurou que com a ação criminosa a quadrilha levantou cerca de R$ 320 milhões – isso somente entre janeiro de 2014 e junho de 2015. A operação faz referência ao nome em latim stellionatu (estelionato, fraude), que veio de stellio, um tipo de camaleão que tem a pele com manchas que parecem estrelas. Stellio ganhou o sentido de trapaceiro, pela capacidade do animal de mudar a cor da pele para se confundir com o ambiente.

Cerca de 250 policiais federais cumpriram 136 mandados judiciais em Tocantins, Goiás, Pará, Maranhão, Roraima, Paraná e Santa Catarina. Ao todo foram cumpridos 56 mandados de busca e apreensão, 10 mandados de condução coercitiva, nove prisões preventivas e 61 prisões temporárias.

Em Santa Catarina, o único mandado de busca e apreensão foi em Balneário, em um apartamento na Rua 1.401, no Centro da cidade. O imóvel seria utilizado por dois irmãos. Vale destacar que ambos estão entre os principais envolvidos com a quadrilha.

Em Palmas/TO, a Justiça Federal ordenou a prisão de 14 agentes e ex-agentes do SINE de Tocantins, Goiás e Maranhão. Também foi determinada a prisão de três ex-funcionários da Caixa que facilitavam os saques dos benefícios fraudulentos por integrantes da organização criminosa.

Além disso, a Justiça determinou a indisponibilidade financeira de 96 pessoas integrantes da organização criminosa, visando ressarcir os prejuízos causados.

Os membros da quadrilha respondem por estelionato, organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva, cujas penas somadas ultrapassam 50 anos de prisão.


Publicidade


Colunistas
por Augusto Cesar Diegoli
por Enéas Athanázio
por João José Leal
por Fernando Baumann
por Marlise Schneider
por Sonia Tetto
Política

Iniciativa do vereador Achutti desagradou o governo anterior e o atual 


Saúde

Mutirão será antecipado 


Cidade


Cidade

Meta é 100% de cobertura de água e esgoto ainda neste ano 


Opinião


Guia Legal BC

A casa tem mais de 25 anos de praia e agora quer alcançar os mais jovens também  


Variedades

Na telona grandes artistas da música brasileira


Variedades

Banda se apresenta no Mercado Pirata


Opinião

Artigo de opinião


Cultura

Dica de passeio cultural de verão


Cidade

O serviço não tem ônus adicional, é programado e deve ser agendado por telefone