Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Em resposta a PT, parlamentares pedem para se chamar Moro

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Arquivo Página 3.

Quinta, 12/4/2018 5:36.

ANGELA BOLDRINI
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após parlamentares petistas solicitarem a inclusão de "Lula" em seus nomes, é a vez de políticos favoráveis à prisão do ex-presidente pedirem para que o sobrenome "Moro" seja colocado no painel das Casas Legislativas.

Na Câmara dos Deputados, o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) enviou ofício ao presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para passar a ser chamado de Sóstenes Moro Cavalcante. Em São Paulo, o vereador Fernando Holiday (DEM) também solicitou a mudança.

Nem só de Moros e Lulas viverá o Parlamento, porém. O deputado Capitão Augusto (PR-SP) protocolou pedido de mudança para Capitão Augusto Bolsonaro.

"Eu sou contra a mudança dos nomes, mas se pode de um lado, também pode do outro. Se Lula é o candidato deles, Bolsonaro é o meu".
Na terça-feira (10), deputados da bancada petista pediram a inclusão de "Lula" em seus nomes parlamentares.

O líder da sigla, Paulo Pimenta (RS), passará a ser "Paulo Lula Pimenta" se o requerimento for autorizado. Carlos Zarattini (SP) será "Carlos Lula Zarattini".

O deputado explicou que a decisão foi tomada em reunião da bancada e os deputados foram orientados a fazer requerimentos individuais com os pedidos. "É para marcar um protesto, é uma coisa simbólica", disse Zarattini.

Os deputados do PT querem que os novos nomes apareçam no painel de votação do plenário da Câmara.

"Queremos mostrar união e solidariedade. Todos do PT vamos fazer isso", disse o líder da minoria na Câmara, José Guimarães (PT-CE).

Nesta quarta (11), senadores como a presidente nacional da sigla, Gleisi Hoffmann (PR), também solicitaram as mudanças. Os presidentes das Casas, Rodrigo Maia e Eunício Oliveira (MDB-CE), ainda não se pronunciaram sobre os novos requerimentos de petistas e antipetistas.

EX-PREMIÊ

Ainda nesta quarta, o ex-presidente Lula ganhou a solidariedade do ex-premiê espanhol Felipe González afirmou nesta quarta que a ausência do petista como candidato nas eleições de outubro "é um problema de grande impacto para o sistema democrático". "Acredito que sua exclusão da disputa eleitoral deixaria uma parte significativa da população brasileira órfã de representatividade", disse em uma nota o socialista, que liderou a Espanha de 1982 a 1996. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Política

Vereadora Juliethe em alguns casos prevê prazo de cinco dias


Economia


Cidade

Maioria que lidera contribuição não é nativa da cidade 


Cidade

Equilíbrio que existia no governo Spernau foi liquidado no governo Piriquito   


Publicidade


Geral

Prefeitura adotou novas regras em alguns setores


Cultura

Dois documentários com entrada franca


Equilíbrio

Volvo defende a redução de plásticos no oceano


Variedades

The Headcutters e bandas locais completam a programação


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade